AGENDAR consulta2

 

 

Artigos por Dr. Daniel Valpaços

Estalar os dedos faz mal?

Para muitos, estalar os dedos é um pequeno prazer ao qual não conseguem resistir. Para outros, ouvir esse som é simplesmente insuportável. Tanto que muitos de nos, ouvimos as nossas mães ou próximos afirmar : “ É mau para as articulações, as mãos vão se deformar e provoca artrose”.

Durante anos, existiram numerosas hipóteses para explicar os motivos que justificariam esse desgaste ósseo.

Será mesmo nocivo estalar os dedos? Será absolutamente necessário se livrar deste habito?

  1. o que acontece, na realidade, quando estalamos os dedos?

Para entender de onde provem esse som, é preciso virar-se para a nossa anatomia. As nossas articulações são lubrificadas entre elas pelo liquido sinovial, preenchido por pequenas bolhas de gás. O famoso “crack” ou “trek” provem de um fenómeno, que consiste na explosão dessas bolhas de gás quando estalamos os dedos. A formação dessas bolhas é conhecida como a “cavitação” : uma diminuição repentina de pressão. Vineeth Chandran Suja, doutorando em quimica na Universidade de Stanford e co-aitor de um estudo sobre este tema, afirma que o gás é composto por 80% de dióxido de carbono.

  1. O que diz a ciência e os vários estudos?

Este tema não é de hoje e tem vindo à suscitar muito interesse e debate.

O Dr. Donald Unger, alergologista nascido em 1920, dedicou à esse tema cerca de 50 anos que viria à culminar no Prémio IgNobel em 2009, prémio sobre descobertas improváveis. Donald Unger, que se cansou de ouvir a Sra. Sua Mãe lhe repetir que estalar os dedos era nocivo, decidiu estudar esse facto sobre as suas mãos. Durante meio século, estalou os dedos da sua mão esquerda duas vezes por dia : 36500 “treks” mais tarde conclui que não existia qualquer tipo de alteração significativa entre as suas duas mãos nem o desenvolvimento de artrose ou artrite.

Apesar desses resultados, diremos que a amostra era insuficiente mas em 2011, um estudo publicado no Journal Of American Board of Family Medicine vem corroborar a hipotese de Donald Unger.

200 pessoas, entre os 50 e 89 anos que estalavam regularmente os dedos, cujas mãos foram radiografadas e comparadas à sujeitos da mesma idade sem esse habito. O resultado foi categórico e sem apelo : não existiu diferença entre os dois grupos, o que permite descartar o risco de desenvolver artrose ao estalar os dedos.

Em 2016, investigadores de l’École polytechnique em Paris e da Universidade de Stanford confirmam na revista Scientific Report que o som produzido pelo estalar dos dedos se deve à libertação de gás e que não constitui um factor de risco de patologias esqueléticas ou reumáticas nãos mãos.

Resumindo, estalar os dedos é completamente inofensivo para o seu sistema ósseo. Arrisca-se apenas à provocar alguma irritação perto daqueles que não partilham esse habito e que sente arrepios à ouvir esse som de “crak” ou “trek”, deixo a denominação à sua escolha.

Contudo, o que é valido para os dedos, não se aplica por exemplo à coluna cervical. Estalar o pescoço diariamente, apesar de não estar cientificamente comprovado o desgaste articular, provoca um relaxamento do sistema ligamentar e por sua vez uma instabilidade desse segmento vertebral.

Nota : a consulta de Osteopatia não se substitui à medicação nem a consulta de clínica geral.

Este artigo constitui apenas a opinião e visão do seu autor.