Osteopatia e dores de costas

A “dor de costas” (lombalgia, dorsalgia, cervicalgia) é o campo de batalha de muitas especialidades médicas ou paramédicas: do reumatologista, ortopedista ao fisioterapeuta, fisiatra e claro o osteopata.
A abordagem terapêutica da Osteopatia é diferente pelo conceito e pela especificidade das técnicas utilizadas.
Diferente, por considerar que na maioria dos casos, a localização e os sintomas são a consequência adaptativa de desequilíbrios posturais e que o importante resulta no tratamento da causa cujo aliviara os sintomas.
Especifica, pelo vasto leque de ferramentas terapêuticas desde a manipulação vertebral às técnicas viscerais e cranianas.

 

 

Para todas as idades:
Na criança, a dor de costas é gerada pelo porte de uma mochila muito pesada, pelas repetitivas quedas, por uma escoliose e não deve ser desprezada apesar das dores de crescimento serem normais.
Nos idosos, as dores não são uma fatalidade, mesmo em casos de artrose ou osteoporose : técnicas suaves e adaptadas permitirão o alivio.
Esta abordagem não exclui nem substitui a sua medicação ou exames, e tem que ser utilizada em complementaridade pelas equipas multidisciplinares.

 

Diagnostico Osteopatico Especifico:
Tendo em conta a globalidade de cada individuo, a osteopatia trata as estruturas implicadas no aparecimento das dores. Por exemplo, as tensões mecânicas exercidas na zona lombar podem ser aumentadas ou provocadas por factores locais ou à distancia da zona dolorosa e de origens diversas :

 

Zona dolorosa e de origens diversas:

  • -           Colites funcionais
  • -           Tensões ligamentares abdominais
  • -           Cicatrizes e aderências viscerais
  • -           Sequelas de quedas, acidentes de viação
  • -           Entorses de tornozelo ou joelho
  • -           Assimetria da bacia ou “membro inferior mais curto

Os nossos hábitos gestuais, as nossas obrigações profissionais, o stress da vida moderna, a ergonomia mobilar, a falta de exercício são alguns dos motivos de dores vertebrais.