Artigos por Dr. Daniel Valpaços

Torcicolo do recém-nascido

Os vários actores de saúde avaliam em cerca de 30 à 40% os casos de torcicolo à nascença.

O torcicolo é definido pela posição da cabeça inclinada sobre um obro e em uma rotação em direcção ao ombro oposto.

O torcicolo do recém-nascido divide-se em 2 categorias :

  • torcicolo muscular congénito (TMC) : a forma mais frequente. Desenvolve-se no primeiros dias ou semanas de vida e é causado pela contracção de um músculo do pescoço, o esterno-cleido-mastoideo (ECM). A cabeça do bebé encontra-se inclinada do lado do musculo tenso e observa-se a presença de uma pequena massa fibrosa do tamanho de uma azeitona no musculo em tensão. Esta massa tende à desaparecer entre o 6° e 12° mês do bebé, tal como o próprio torcicolo que regride de ele próprio em 75% dos casos antes dos 8 meses. Somente 25% dos recém-nascidos necessitarão de cuidados de saúde, sendo que é indicado que seja o mais cedo possível para diminuir os risco de anomalias causadas pelas tensões relacionadas com o torcicolo.  
  • Torcicolo congénito : mais raro e associado à malformações de nascença (malformações congénitas) tais como :
  • Desequilíbrio dos músculos do pescoço : ausência congénita unilateral do ECM.
  • Malformação óssea (fusão das vértebras do pescoço)
  • Deslocamento das vértebras do pescoço (subluxação congénita cervical)
  • Anomalia do sistema nervosa ou malformação nervosa (paralisia neurológica ou ocular)

Esta forma de torcicolo não regride sozinha e necessita de exames especializados, nomeadamente imagiologia médica. Este tipo de torcicolo pode evoluir sem tratamento para anomalias como :

  • deformação da face (simetria facial)
  • deformação da cabeça (plagiocefalia)
  • transtornos de visão (transtornos funcionais oculares)
  • deformação da coluna vertebral (escoliose cervico torácica)

As causas :

Numerosas etiologias são elaboradas sobre o torcicolo do recém-nascido.

De uma forma geral, pediatras e especialistas concordam que a principal causa é a posição do bebé (principalmente bebé sentado) no ventre da sua mãe que originam tensões no pescoço ( e vértebras cervicais) e na cabeça.

Outra origem frequente está relacionada com as manipulações durante o parto, manipulações na cabeça e pescoço, agravadas com a utilização de fórceps ou ventosas.

Avaliação do torcicolo:

O grau de severidade do torcicolo é classificado seguindo 3 medidas avaliativas :

  • a posição da cabeça ou atitude de inclinação : medida entre a cabeça e o ombro com o bebé deitado de costas. De O à 15° considerada rigidez ligeira, rigidez média de 15 à 30° e severa quando atinge dos 30 aos 45°.
  • a amplitude do movimento de rotação : a rotação normal da cabeça do centro para a direita (ou esquerda) é de 90°. Conforme a restrição, considera-se ligeira de 0 à 30° de restrição, moderada dos 30 à 60° e severa de 60 à 90°.
  • a amplitude do movimento de inclinação : a inclinação normal e fisiológica é de 45°. Consoante a restrição, de 0 à 15° será definida como rigidez de inclinação ligeira, rigidez inclinada média dos 15 aos 30° e severa de 30 à 45°.

Avaliação global :

Seria redutor para a complexidade da anatomia e biomecânica do nosso corpo, limitar-se à descrever os sintomas e restrições do torcicolo localmente.

Os casos de torcicolos podem provocar outras anomalias, particularmente na bacia e na coluna vertebral, explicando-se pela interligação tantas vezes descritas em artigos precedentes. Desta forma, teremos que imaginar por exemplo que um bebé apresentando um torcicolo com a cabeça inclinada para a direita provocara um aproximação da bacia desse mesmo lado, descrevendo um meio circulo. Esta dinâmica de adaptação explica-se pelas ligações tanto mecânicas como musculares, ligamentares e membranosas que unem todas as partes do corpo.

O tratamento em osteopatia :

Considero que em osteopatia pediátrica, é importante a participação parental seja para o diagnostico como nos exercícios/conselhos para casa. Importante porque os pais devem poder observar as limitações de movimentos provocadas pelo torcicolo e assim também confirmar as melhorias.

O tratamento consistira em :

  • devolver a mobilidade do eixo superior da coluna cervical ou seja C0/C1, a união entre o crânio e a coluna cervical
  • eliminar as tensões localizadas nas estruturas musculares, ligamentares e membranosas
  • corrigir as alterações posturais de cadeias ascendentes ou descendentes.

Obviamente, trata-se de técnicas suaves e especificas, que poderá ler na integra na descrição da osteopatia pediátrica no site.

Conselhos e exercícios de posicionamento para estimular a normalização do torcicolo são ensinados aos pais, para que se tornem parte integrante do tratamento.

 

Nota : A Osteopatia não se substitui à consulta do seu médico e ao uso de medicamentos.

Este artigo representa somente a opinião e experiência do seu autor.